12 de jun de 2010

Carta aberta


Capão do Leão, 07 de junho de 2010



 Ao invés de iniciar dizendo carta aberta poderia começar dizendo um desabafo a todos os responsáveis pelos últimos acontecimentos. Queria gritar para todos ouvir que a juventude está pedindo socorro, que está implorando por vida, mas gritar pra quem? Desabafar pra quem?
 Foi uma surpresa em tanto quando recebi a carta do saudoso Hilário partilhando sobre a atual realidade do IPJ. Fiquei com um sentimento de indignação, com uma dor imensa no peito, cogitar o fechamento do IPJ é doloroso a qualquer jovem que tenha tido o contado com esse instituto.
 A igreja ainda está muito distante dos jovens, mas peço a Deus que amoleça o coração aos lerem essa carta e sensibilizem e tomem conhecimento do quanto o IPJ é importante não só pra mim, mas pra muitos jovens gaúchos.
 Sou Douglas Ferreira dos Santos da paróquia Santa Tecla do Capão do Leão da Diocese de Pelotas, participo da PJ aproximadamente nove anos e atualmente estou contribuindo na equipe da coordenação da diocese e na equipe executiva do regional sul três com a comunicação.
 Participei do 15º animadores realizado pelo IPJ e posso afirmar que foi um divisor de águas. Foi em um momento do qual mais precisei que o IPJ, através do animadores, pode me ajudar, estava enfrentando problemas em minha paróquia e diocese e este soube aconselhar-me além de acompanhar o meu projeto de vida que até em tão não dava muita importância.
 Meu coração enche de alegria quando penso dos belos momentos vividos nas quatro etapas deste curso, das amizades feitas, dos olhares percorridos, dos carinhos de jovens companheiros que lutam pela vida da juventude. Cada momento vivido lá foi tão intenso que a vontade de viver novamente é muito grande.
 Mas não é só nos momentos de convivência que o IPJ contribui na vida da juventude, este faz que tenhamos força para seguir na caminhada levando a boa nova a outros jovens que estão na marginalidade e morrendo sendo vítimas da violência e do extermínio por não conhecer “o Caminho, a Verdade e a Vida”.
 Em seu desabafo, PE Hilário me marcou ao dizer “cria-se um filho para depois mata-lo” lembrando do grande objetivo do qual foi criado o IPJ e agora simplesmente querem acabar sem lutar com todas as forças para este espaço continuar existindo, pois este espaço é nosso é da juventude.
 A cada dia a igreja, as congregações, os padres e bispos estão me mostrando que estão levando uma bandeira que não carregam.
 Tenho a consciência de que nada mudarei, afinal além de ser jovem sou leigo, mas independente do rumo que decidirem ao IPJ quero agradecer a todos que colaboraram, seja financeiramente ou com a doação da vida, para que este espaço tenha sido um espaço de construção do reino. Muito obrigado.

Douglas Ferreira dos Santos
douglas.ferreiradossantos@gmail.com

1 comentários:

Luana Corrêa disse...

Dói, se concretizar algo já anunciado e sentido há algum tempo por muitos que doaram suas vidas por essa instituição, e ainda mais, pela vida da juventude. Compartilho da tua dor, e de tuas palavras. O IPJ é espaço de viver sonhos, dessa juventude tão sofrida, e muitas vezes esquecida (reforço o esquecimento por parte de nossa igreja). Também o Animadores pra mim, foi um momento de escolha, um momento mais do que fundamental na minha caminhada. E desde lá, presenciei, e senti muitas coisas que já apontavam essa 'morte', que por muitos foi anunciada, muitos que desejavam com todas as forças reverter essa situação. Mas as vozes, mais uma vez foram silenciadas.
Deixo também por aqui minha mensagem, e também lembro a importância de nós, PJ's do RS, não aceitarmos de braços cruzados o assassinato, a cada instante, de nossos sonhos, de nossos espaços.

Postar um comentário