23 de mar de 2012

"Atualmente vive em um sítio em Capão do Leão, distrito de Pelotas"

Acabo de receber no mural do facebook, às 03:00  h do dia 23.03.2012, de uma grande amiga (diga-se de passagem),  um link de um site que disponibiliza artigos sobre escritores e matérias sobre a docência. Então, lendo o final do artigo, partilhado pela Simone, fiquei espantado quando vi “Atualmente vive em um sítio em Capão do Leão, distrito de Pelotas”.

Pra muitos que moram fora do município de Capão do Leão acham que ainda esse território pertence a Pelotas, isso me indigna um pouco, mas mais ainda quando os próprios moradores fazem uma crítica somente pela critica, sem apontar ou refletir verdadeiramente sobre esse município.
Não sei de quem foi o erro, se do site, do escritor da matéria ou do próprio cidadão em questão. O pior que eu enchia a boca para falar que foi um “leonense” que tinha criado o uniforme canarinho da seleção.
Bueno enviei ao site um e-mail pedindo a atualização, notifiquei que Capão do Leão tem 30 anos de independência, quer dizer emancipação (outra bobagem).
Quero aqui fazer uma indagação pra fazermos uma reflexão nos comentários desta postagem. O que leva os moradores de Capão do Leão não terem uma identidade própria ou não se reconhecer como um território emancipado de Pelotas?

18 de mar de 2012

Pela manhã

fonte
É quando acordo que desisto dos meus sonhos
esqueço das minhas lutas
apago o sorriso
e deixo a universidade.
É quando eu acordo que desisto da PJ
esqueço da família
saio da trupe
mato a ex namorada.
É quando eu acordo que esqueço a vida
dou vida a minha preguiça
abraço a minha invidivualidade
durmo na cama vazia.
Depois de cara lavada, rosto arrumado eu vejo
que em meus pensamentos estava errado.
Amo a universidade, dou a vida pela PJ
a trupe me faz bem e as lutas me motivam a seguir.
Douglas Ferreira dos Santos

3 de mar de 2012

Recado para os jovens paranaenses



Esse final de semana está rolando no Paraná um encontro e o amigo Lucas pediu para mandar um recado. Partilho com todos vocês o vídeo caseiro realizado com uma rapidez tremenda. Mas fico massa. Em sintonia com o encontro, que o Deus da vida esteja com cada jovem presente.


1 de mar de 2012

Retalhos

Estava instante atrás me olhando no espelho do banheiro e notei marcas no meu rosto onde ontem ficavam as espinhas. Marcas de sofrimentos, desejos e sonhos que foram soterrados, mortos ou esquecidos lá dentro daquelas gavetas onde guardava meus escritos, crônicas e poemas. O primeiro amor que fora roubado pelo amigo, a perda do sonho de família, daquela pessoa especial que você nunca mais ouviu sequer pronunciar o nome.
As lágrimas escorrendo pela face de uma infância interrompida pelo tempo que corre, ao invés de andar lentamente permitindo que cada momento seja vivido intensamente. As memórias de crianças ficam lá, guardadas naquele lugarzinho que horas nos confunde misturando o real com o imaginário.
O menino que mesmo grande de uma hora pra outra teve que crescer e virar homem. Engraçado não passei a fazer nada além daquilo que eu já fazia. Pois bem, aqueles que eu achava que cuidavam da minha vida hoje percebo que é mera preocupação comigo e aqueles que pensava que estavam do meu lado, confiava os segredos, contava as verdades e mentiras ditas por esses vinte e poucos anos percebi que nada mais são do que criaturas que realmente querem me controlar e saber por ando caminhando.
Tenho caminhado à noite e a minha única companhia tem sido as estrelas que mesmo aquelas que não consigo ver estão lá, bem no alto iluminando e enfeitando as trevas.
Continuo a caminhar sozinho e durante o percurso vem e vão pessoas, gente que conheço e gente que desconheço.
Mas as marcas, sim as marcas no meu rosto, são marcas de sofrimentos, desejos e sonhos que foram soterrados, mortos ou esquecidos lá dentro daquelas gavetas onde guardava meus escritos, crônicas e poemas.

Douglas Santos