30 de out de 2012

Pelo DNJ, publicação no diário popular...

Diário Popular jornal de Pelotas, além de acrescentar informações no teu texto faz isso erroneamente. Foi solicitado a publicação no domingo, último do mês, dia nacional da juventude, mas só publicaram nesta segunda dia 29.10.2012 (DP sempre atrasado) e ainda acrescentou "O dia dos jovens brasileiros, 24 de outubro". Não. O dia nacional da juventude foi dia 28 de outubro, no domingo! Já solicitei uma errata, agora vamos esperar!




Texto original
Juventudes ousadas
Estamos vivendo um cenário específico da pós-modernidade, no qual os atrativos para o público juvenil, como encontros religiosos de massas, reality shows, mídias, sucessos repentinos, redes sociais etc., acabam limitando as juventudes (no plural por compreender que não há somente um perfil de jovens estabelecido) de serem agentes transformador da realidade. Em contraponto, há uma pequena parcela que ainda se dispõe de tempo, sendo no dia-a-dia, em cada ato, um(a) revolucionário(a) tornando-se sujeito engajado politicamente nos mais diversos seguimentos da sociedade civil, construindo um ‘outro mundo possível’.
A estes jovens comprometidos com as causas populares, que nas últimas décadas vem se destacando, mostrando determinação e atingindo resultados positivos em suas bandeiras de lutas de modo especial, parabenizo pelo Dia Nacional da Juventude. Hoje, dia dos (as) jovens brasileiros, instituído há mais de duas décadas, é dia de celebração da vida e das conquistas dos direitos juvenis, e também é um dia propício para realizarmos uma profunda reflexão:
No Brasil, segundo o ministério da saúde, mais da metade dos homicídios (53%) atingem a juventude, sendo 75% negros, conforme o artigo da secretária nacional de juventude, Severine Macedo. É preciso caminhar rumo a outra civilização, onde as juventudes tenham mais acesso a educação, cultura, lazer, saúde, e menos violência e desemprego, mas pra isso é preciso de protagonistas comprometidos com a vida.
E aí? Tchê! Vai ficar parado olhando a vida passar? Vamos juntos transformar a nossa realidade? Seja protagonista, não faça dos discursos bonitos (vendidos pelos diversos seguimentos desta sociedade capitalista) um motivo para se perder por aí. Faça de sua práxis (discurso + prática) exemplo de mudança e esperança.

Douglas Ferreira dos Santos
Graduando do curso de história da Universidade Federal do Rio Grande - FURG

28 de out de 2012

Habitual


O habitual pra nós
pode ser o diferente
mesmo que longe
nós dispomos a sonhar
em acordar juntos,
tomar café quente,
escolher o mesmo filme,
e chorar diante das tristezas
e sorrir quando a vida permitir.
O habitual nem é tão habitual assim,
é acontecimento!
Porque estando distante tudo se torna
intenso e passa ser vivido com essência.
Que o habitual real
seja o nosso também,
desde escolher a árvore do natal
ou o sabor do vinho
que nos acompanhará
em nossos eternos momentos de amor...

Douglas Ferreira dos Santos

15 de out de 2012

o blog está entre os top 100 do Brasil!

Vamos votar? É só clicar aqui

10 de out de 2012

Pelotas: Atenas do Sul

"Princesa do Sul, Atenas sul-rio-grandese e Capital cultural do Rio Grande" são alguns dos títulos atribuídos à cidade de Pelotas para demonstrar sua imponência, seu valor cultural e intelectual desde o século XIX. Valendo-se desses conceitos, o presente documentário tem como objetivo propor uma reflexão sobre o hábito de leitura dos jovens pelotenses na atualidade e o conhecimento dos mesmos sobre as produções literárias e dos autores locais. A metodologia utilizada foi à aplicação de um questionário para obter resultados quantitativos em duas escolas (pública e privada) tradicionais do município, nas turmas do terceiro ano do ensino médio, para traçar um paralelo entre acesso, disponibilidade e procura das obras de escritores pelotenses. Foram realizadas diversas entrevistas a fim de conhecer quais são os gêneros literários de maior procura e quais são os fatores que contribuem para a diminuição do hábito da leitura entre os jovens, bem como os fatores que influenciam a preferência ou desconhecimento das obras locais e regionais numa era de expansão dos meios de comunicação de massa: